Promovendo a Liberdade de Expressão na África Austral

Crime imprensaA IBIS, através do programa Acções para Governação Inclusiva e Responsável (AGIR) organiza, em parceria com o MISA-Moçambique e a Associação Moçambicana de Juízes, uma mesa redonda alusiva Dia Internacional para o Fim da Impunidade dos Crimes contra os Jornalistas. O evento, a ter lugar no dia 2 de Novembro (quarta-feira), em Maputo, irá discutir temáticas sobre a liberdade de imprensa e democracia.

O objectivo da conferência é consciencializar o judiciário, o legislativo, o executivo e os Jornalistas sobre a necessidade de promoverem a liberdade de imprensa e expressão como um dos pilares da democracia, além lutar para que se termine com as intimidações contra os Jornalistas no exercício das suas actividades.

Além de nacionais, a conferência contará com um painelista sul-africano, Mondli Makanya, director editorial do City Press.

Os organizadores reconhecem que a promoção da liberdade de imprensa e de expressão em contexto democrático exige também dos jornalistas uma grande responsabilidade, sobretudo na observância de padrões técnico-profissionais e éticos, aspectos que continuam a constituir uma grande preocupação no jornalismo moçambicano.

No mesmo dia, o MISA Moçambique e o Centro de Estudos Interdisciplinares de Comunicação (CEC) irão pré-lançar um estudo sobre casos de violação de ético no jornalismo moçambicano.

O dia 2 de Novembro foi declarado pela Unesco como o Dia Internacional pelo Fim da Impunidade dos crimes contra jornalistas com objectivo de aumentar a conscientização sobre o desafio da impunidade e mobilizar acções contra ela.

A data, instituida em Dezembro de 2013, marca o assassinato de dois jornalistas, Gislaine Dupont e Claude Verlon, da Rádio França Internacional (RFI), assassinados no norte de Mali, enquanto faziam reportagens sobre os conflitos na região, em 2 de Novembro de 2013.